quarta-feira, 15 de abril de 2009

Vocação leiga

(A identidade de vocação laical na Igreja)
O carisma da vocação laical ocupa um lugar central na Igreja, define a Igreja para o mundo. Outra vocações não têm essa centralidade. Através desse carisma a Igreja se faz presente no mundo. O mundo e não a Igreja é a meta dos caminhos de Deus. A Igreja precisa se abrir para o mundo, por isso precisa de leigos. O leigo tem carisma e função para libertar a secularidade do mundo, mediante o anúncio de Jesus Cristo. Fazer com que o mundo tenha autonomia. O leigo tem a missão de fazer com que o mundo entre em comunhão com o mistério que a Igreja representa (Reino de Deus). A vocação laical tem sua origem nos sacramentos do batismo e da crisma. Ela ocupa um lugar central na Igreja, define a igreja para o mundo. O fiel cristão leigo tem o papel de libertar o mundo da secularidade, dos falsos ídolos e de todas as prisões que oprimem e destroem a pessoa humana. Vivendo no mundo como solteiro, casado ou consagrado (de maneira individual ou num instinto secular), os leigos são fermento na massa, sal e luz do mundo. Na vocação laical temos o estado de vida matrimonial. Chamados a ser pai, a ser mãe, a gerar vida, a constituir família. A família é chamada a constituir a Igreja doméstica. É a expressão visível do amor de Cristo pela sua igreja, sacramento de Cristo. É na família que é possível expressar as mais variadas formas de amor. Amor conjugal: é na entrega mútua, no relacionamento fecundo e construtivo que esposa e esposo desenvolvem sua potencialidade e se realizam plenamente como pessoa. Amor paternal e maternal: agradecidos a Deus pela continuidade do seu amor que se encarna no dom dos filhos, os pais retribuem esta dádiva amando, protegendo e educando seus filhos para se integrarem na comunidade e na sociedade. Amor filial: é como se fosse uma ação de graças, isto é, devolver aos pais a graça da vida que um dia lhe deram. Os filhos desenvolvem um amor aos pais como gratidão por tudo que lhes concederam. Amor fraternal: é o amor entre os irmãos e a experiência do amor oblativo e caritativo, sair do seu convívio familiar, perceber que há um círculo maior de pessoas e começar a compreender que somos todos irmãos. É aí que se desenvolve a sensibilidade aos problemas do mundo. Além de constituir família, a grande missão da maioria dos leigos, sabemos que eles têm um importante papel na transformação da sociedade. Vejamos algumas de suas principais características: estar inserido no meios da sociedade como fermento na massa, sal que dá sabor e luz que ilumina os difíceis caminhos. Colocar em prática as possibilidades cristãs escondidas no meio do mundo. Valorizar os sinais do reino presentes de maneira latente no meio da sociedade e - combater as tantas forças do anti-reino, ou seja, forças que promovem a injustiça e a morte. Ser sinais visíveis de Jesus Cristo na família, no trabalho, na política, na economia, na educação, na saúde pública, nos Meios de Comunicação Social, nos órgãos públicos, nos esportes, no serviço liberal e em tantos outros espaços no meio da sociedade. Praticar a sua fé e seu amor a Deus em todos os lugares e em quaisquer necessidades. Participar com fidelidade e criatividade na construção de um mundo novo. Os cristãos leigos vivem o Evangelho que lêem, que rezam e que celebram, não apenas entre paredes de uma igreja, mas em todos os lugares. São aqueles que fazem do seu trabalho a liturgia diária e prolongam a Missa Dominical em todos os dias da semana. LG 31 - Leigo que não é ministro ordenado, nem religioso. A índole secular caracteriza o leigo. É específico para ele procurar o Reino de Deus, exercendo funções temporais (em suas atividades), vivem na secularidade, e devem fazer-se presentes nos ofícios e trabalhos do mundo. O leigo na Igreja faz presente o mundo, e no mundo faz presente a Igreja. Todo leigo tem uma função na Igreja, o leigo manifesta o dinamismo extrovertido da Igreja.

11 comentários:

  1. vc deve aprender a escrever as coisas mais claras porque eu não entendi (...) nenhuma .....

    a e alias, ta uma porcaria esse texto

    ResponderExcluir
  2. Em Primeiro ligar eu gostaria que se identificasse. Em segundo lugar o entendimento do texto depende muito de quem lê e interpreta. Provalvelmente você não leu o texto como ele esta escrito, respeitando as pontuações.
    Se você ler o texto de maneira calma, tranquila e concentrada, tenho que certeza que vai entender.
    Eu li e entendi.

    ResponderExcluir
  3. Na minha opinião,o texto, ele esta bom por parte do que envolve, a ideia de expor quem é o leigo dentro da igreja, ou seja a sua vocação e alias, uma coisa que também gostei, foi de ter se falado de um jeito muito direto por parte do que envolve, o tema de vocação, pois em tudo no caso em todo tipo de vocação da qual se constitui por uma escolha pessoal da pessoa, o que mais se busca enxergar como sinais claros de que o que foi escolhido é dom de Deus, é algo que é construtivo para o reino, vem a ser,a maior sintonia entre o ser humano e Deus, que é o amor, a doação pelo próximo, pois a vocação é como o evangelho do semeador nos a exemplos de Deus lançamos a sementes, perante aquilo, de que nos envolve, e a resposta de sabermos se as sementes caíram em solo bom nós vemos a partir do que gerou amor ou seja caridade, fraternidade e liberdade.

    ResponderExcluir
  4. TEXTO DE VOCAÇAO E UMA PORCARIA AINDA MAIS SENDO CATOLICO

    ResponderExcluir
  5. O SENHOR,DEVERIA SE EXPRESSAR MAIS AO ESCREVER POIS ISSO AI TA UM TEDIO PARA SE LER.
    NAO TENHA MEDO DE SE EXPRESSAR E SE SOLTAR AO ESCREVER.
    ESTA +OU-

    ResponderExcluir
  6. o texto está meio complicado pra entender,tente usar uma linguagem mais clara,se expresse melhor.

    ResponderExcluir
  7. O texto não está nada bom!!!

    ResponderExcluir
  8. podia ter texto menores sobre ne ? tenha do da pessoa que vai ler!! eu nem vou ler porque eu so preciso de 7 linhas !!! Clah

    ResponderExcluir
  9. Meu Deus, é preocupante como muitas pessoas tem dificuldades de entender algo tão simples! Não falo nem do sentido teológico, mas realmente literal, o número de analfabetos funcionais é grande. Ler e não entender nada, muitas vezes não é defeito de quem escreve, mas de quem não sabe interpretar texto...isso é analfabetismo funcional.

    ResponderExcluir
  10. Anisete Souza, São Luís-Ma27 de agosto de 2011 14:22

    Meu nome é Anisete Souza, de São Luís do Maranhão, mãe de quatro rapazes estudantes dos ensinos médio e universitário, leiga engajada desde os catorze anos de idade, ministra da Celebração da Palavra e da Sagrada Comunhão. Meus filhos também são engajados e sempre participam de retiros jovens e estão preocupados com os rumos da história brasileira. Gostei muito do texto porque traduz com, muita sabedoria, o significado do(a) leigo(a) discípulo(a) missionário(a) enquanto sinal da presença de Deus no mundo. Faz pensar que viver em família é preocupar-se em viver o amor do Senhor e estar sensível às preocupações e angústias do dia-a-dia da sociedade e ser esperança enquanto agente de trasnformação pelo projeto de libertação de todos os males e forma de pecado social. Enquanto pais não temos o direito de vivermos à margem dos desafios que interferem diretamente no bem comum. O texto ainda me faz pensar que os leigos e leigas são Igreja em família e no mundo quando assumem o comprmisso da partilha e da solidariedade, experimentando diariemente a fé sacramental.

    ResponderExcluir
  11. Anisete Souza, São Luís-Ma27 de agosto de 2011 14:26

    PARABÉNS PELO TEXTO. MUITO BEM ESRITO E, CREIO, POR QUEM TEM CONHECIMENTO DE CAUSA POR VIVÊNCIA!!
    DEUS ABENÇOE VOCÊ QUE ESCREVEU, FAMÍLIA, AMIGOS E TODA A EQUIPE PARTICIPANTE DESSE ESPAÇO E QUEM LÊ ESSAS PÁGINAS.

    ResponderExcluir

Deixe aqui o seu recado: